Oficina de vídeo e gravação na comunidade Quilombo da Fazenda Picinguaba

O projeto Rede de Turismo Ambiental - Comunidades Tradicionais concluiu na primeira  semana de novembro, as filmagens previstas no cronograma do projeto para a divulgação do turismo ambiental de base comunitária no Quilombo da fazenda Picinguaba.

As filmagens ocorreram de 02 a 06 de novembro, semana marcada pelo clima instável e muita umidade, um desafio para a equipe de filmagem, que mais uma vez, foi muito bem recebida na comunidade, por todos os participantes e pelas lideranças quilombolas.

O roteiro de atividades para a realização das gravações foi préviamente desenvolvido e organizado em conjunto com a comunidade, na oficina de vídeo e gravação, além de uma agenda de filmagem, na qual coordenaram todas as atividades que foram filmadas, começando com o preparo do almoço quilombola pelas mãos de D. Laura (de dar agua na boca!), passando pela prosa do griô contador de história Zé Pedro, seguindo com a apresentação do grupo cultural Ô de Casa, para, na sequência, abrirem a sala de artesanato, onde D. Carmem nos mostrou sua técnica e criatividade tecendo um cesto quilombola, além de todas as entrevistas tomadas da Casa da Farinha com a Roda D’agua e seu entorno, o que exigiu um cronograma em conjunto por todos os envolvidos.

Ficamos extremamente satisfeitos pelo retorno da energia empregada, pela entrega, participação e dedicação de todos, pois, com as variações de luz, os acessos às trilhas para uma boa imagem, entre outros desafios de filmar na mata, além do envolvimento tocante dos quilombolas da Fazenda Picinguaba em todas as etapas, da atuação dos cantores, tocadores de tambor, dançarinos e artesãos, o apoio em todas as situações e a flexibilidade nos momentos cruciais das gravações superaram qualquer expectativa.

Com o apoio das lideranças quilombolas, D. Laura e seu Zé Pedro, além do bom humor e da dedicação de todos os participantes do projeto no Quilombo da Fazenda, a realização das filmagens mostraram, antes de tudo, a beleza do modo de vida quilombola, sua cultura de preservação e o respeito as suas tradições culturais, passadas de geração em geração.