Turismo na alta temporada nas comunidades tradicionais

O turismo de base comunitária depende da sazonalidade. A alta temporada é a época em que a maioria das comunidades tem o maior lucro do ano e por isso se preparam, em boa parte do ano, para as demandas esperadas, que fogem da curva normal.

A união da comunidade e a coordenação harmônica das atividades torna-se vital neste período. Muitas questões ligadas à gestão das ações, precisam ser planejadas com antecedência.

A consequencia de uma desarmonia ou falta de planejamento, pode gerar desde prejuízos financeiros até administrativos e ambientais. As comunidades trabalham para se estruturar, muitas vezes, por anos, até que atinjam o equilibrio entre demanda e estrutura.

O projeto Rede de Turismo Ambiental nas comunidades tradicionais, procurou trabalhar estes conceitos de sazonalidade e volume de demanda em suas oficinas nas comunidades tradicionais Aldeia Boa Vista e Quilombo da Fazenda Picinguaba, ambas de Ubatuba.

Nas rodas de conversa do projeto, diversos conceitos de sustentabilidade vieram a tona e a necessidade de coordenar a demanda por meio de agendamento prévio, por exemplo, foi uma solução encontrada em conjunto.

A demanda de atendimento aos turistas na alta temporada, sugere uma participação maior da comunidade e exceções no quadro de necessidades estruturais. O custo benefício de investir em estrutura apenas para uma determinada época do ano deve ser avaliado por cada comunidade, respeitando seus limites pessoais e ambientais.